.pesquisar
 
.Março 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.arquivos

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

Segunda-feira, 17 de Dezembro de 2007
NOTÍCIA EXCLUSIVA!

ESTA NOTÍCIA É EXCLUSIVA DESTE BLOG, DENTRO DA COMUNIDADE DE BLOGS/WEBSITES DE CONTEXTO HARRY POTTER.

Laura Mallory é uma mãe norte-americana, com três filhos na escola primária. Há um ano, decidiu levar a cabo uma cruzada contra os livros «Harry Potter», da escritora J.K. Rowling, que queria ver fora das prateleiras das bibliotecas escolares.

O motivo? Ensinavam feitiçaria às crianças, conta a Associated Press.

O Conselho escolar das escolas do estado da Geórgia chumbou a proposta de Laura, pois estes livros «encorajam as crianças a ler estimulando-lhes a criatividade», disse o Conselho. «Se baníssemos estes livros por terem referências à feitiçaria teríamos de banir clássicos da literatura, como «Macbeth» ou «Cinderella».

Laura, no entanto, tem uma opinião diferente: «estes livros mostram a feitiçaria de forma apelativa, e também os assassinatos, a ganância e violência. Eles não devem ler estes livros na escola».

Os livros que retratam as peripécias do jovem feiticeiro já foram atacados 115 vezes desde 2000, o que os torna nos livros mais contestados do século XXI, de acordo com a American Library Association.

publicado por imperio firm às 16:29
link do post | comentar | favorito